Por Dentro

Gustavo Valério Ferreira

08/11/2018

O sonho escorregou, levou um baque
e o sonhador acordou num puxão.
Pulso acelerado, eis um breve ataque
há um choque por dentro do coração.

Logo o sonhador se desmancha em águas
o pulso molda a dor da triste sina…
A esperança é sem cor e só traz mágoas
dum futuro de horror sem atropina…

Por dentro do homem dorme um viajor:
um lobisomem prestes a acordar.
O homem é o cruel catalisador
na tenra maldade a enchafurdar.

O homem é o salvador que habita o centro
do destruidor que carrega por dentro.

Clique aqui para assistir o vídeo do poema sendo recitado!