Pêndulo Da Morte

Gustavo Valério Ferreira

06/12/2020

No peito o medo imprime causa e luta…
Na boca o canto ecoa fraco e breve…
Nos braços lestos há fatal conduta…
Na mente, a morte inspira, doma, escreve…

O tempo trava e cai na própria gruta
E grita, chora e clama à negra neve…
No poço fundo, o tempo o medo escuta…
E treme, cansa, sua e, então, faz greve…

Sem tempo, agora, o medo é grande e forte…
Sem tempo, o mundo cai na própria sorte…
E a sorte é um poço fundo, vasto e largo…

No peito humano habita luta e causa
Mas dores tesas nunca fazem pausa.
E o humano morre sem qualquer embargo.