Destroços Internos

Gustavo Valério Ferreira

27/02/2019

Neste eterno arrastar, destroços e cabelos
estão a revoar em sonhos desprezíveis
querendo ultrapassar os mais difíceis níveis
da vida crua em flor; conseguirei vencê-los?

Neste interno arrastar dos ossos e cabelos
estou a me matar em lutas impossíveis
as quais não vencerei pois são imprevisíveis
mas não desistirei, enfrento os pesadelos!

No intenso amortecer das vidas imiscíveis
eu rastejando vou sozinho combatê-los
sem ajuda qualquer dos homens insensíveis…

O tenso amanhecer não derreteu os gelos
de sangue já sem cor, marcas inesquecíveis
da minha guerra atroz, dos próprios atropelos.