Amálgama

Gustavo Valério Ferreira

25/06/2018

A eterna saudade que hei de sentir
haverá de me matar lentamente
e pranteando copiosamente
tento, no inferno, não imiscuir.

Parece impossível desconstruir
as lembranças tuas na minha mente
que aparecem e exponencialmente
tentam rapidamente me excutir…

Morrestes, mas voltas frequentemente
a visitar meus sonhos; e a sorrir
matas-me com teu amor comovente.

Eu já não consigo mais te impedir
pois nosso fim é, paradoxalmente
a nossa única forma de existir.