Prefácio da Agonia

Gabriel Zanon Garcia & Gustavo Valério Ferreira

Num pântano repleto de ossaturas
Suspenso, vi-me sob um céu vermelho…
Caindo como chuva as desventuras
Puseram-me, aos poucos, de joelho…

Eu quis aproveitar o medo e a fuga
Fitando, tristemente, mais estrelas…
Não pude, pois o Som que me conjuga
Gangrena os meus tecidos por revê-las!

As chamas merencórias do Infinito
Acendem todo o céu, de canto a canto!
Sentindo cada verso aqui descrito
Conservo a sombra esquálida do Espanto!

Com toques imortais, a dor vazia
Acalma a minha alma soluçante…
De um lúgubre destino à poesia
O adeus carrega o peso de um gigante…

Não lembro se perdi num crematório
As cinzas do que fui enquanto vivo…
Mas sei que em meu caminho transitório
Deixei de ser um espírito cativo!

Deitado em meu caixão, abarrotado
Abri os olhos ante o pesadelo…
Não via nem sequer o meu legado
Nem chance de fazer algum apelo.

Rendido para sempre à eternidade
E ao medo inconsciente de outras eras
Um surto me provoca frialdade:
É a fome celular de mil moneras!