Entropia

Gustavo Valério Ferreira

11/11/2020

Muita vez acordo entorpecido
Em vales de ossos secos e aflições…
Disperso, à luz do sonho preferido
Vago triste em outras dimensões.

Tinge, o medo incauto e repetido
O céu azul de grandes vermelhões…
Contei, cantei e vi no colorido
Manchas rubras vindo em convulsões…

Chuvas turvas chegam destruindo
As casas, almas, mentes, corações…
E penso estar chorando, mas sorrindo
Desço ao caos da vida em distorções.