soneto

Pêndulo Da Morte

No peito o medo imprime causa e luta…
Na boca o canto ecoa fraco e breve…
Nos braços lestos há fatal conduta…
Na mente, a morte inspira, doma, escreve…

O tempo trava e cai na própria gruta
E grita, chora e clama à negra neve…
No poço fundo, o tempo o medo escuta…
E treme, cansa, sua e, então, faz greve…

Sem tempo, agora, o medo é grande e forte…
Sem tempo, o mundo cai na própria sorte…
E a sorte é um poço fundo, vasto e largo…

No peito humano habita luta e causa
Mas dores tesas nunca fazem pausa.
E o humano morre sem qualquer embargo.

Gustavo Valério Ferreira

soneto

Sem Razão

Hei-de pedir-te, amor da minha vida
Que não te vás, assim tão de repente…
Meu peito gela e fica descontente
Imaginando a tua despedida…

Posso impedir-te, amor da minha vida
De me partir, assim tão de repente?
Meu peito trava e sua, infelizmente…
Se eu falecer, serás bem-sucedida…

Muito me dói, no entanto, não me escutas…
Levas nas malas, roupas, dor e lutas…
Levas o meu pesado coração…

O sol se põe, e o meu amor se vai
Levando os olhos deste amargo pai
Que sofre e chora sem qualquer razão…

Gustavo Valério Ferreira

← Recentes— Início —Antigos →